Principal
Advogados
Artistas / Autores
Associações
Auto-Escolas
Beleza / Saúde
Condomínios
Contabilidade
Creches
Diversão / Esportes
Design de Interiores
Identificação
Locação de Veículos
Máquinas de Costura
Marmores / Granitos
Médicos
Portais Diversos
Prefeituras
Produtos Naturais
Toners / Cartuchos
Segurança
Serviços de Internet
Sondagem de Solo
Treinamentos
  
  
  
 
Últimas Notícias
 
09/09/2014
Notícias
Não espere o negócio chegar lá para ser feliz
As conquistas colhidas no presente durante o caminho para o futuro é que trazem a alegria de viver
Eu ainda era criança quando passava na televisão uma propaganda que mostrava um grupo de amigos fazendo o maior esforço para escalar uma montanha. Era tão real que dava até para sentir o cansaço e a emoção deles. 

Quando finalmente alcançavam o topo, se abraçavam e gritavam: “Chegamos! Chegamos!” Ficavam lá olhando um para a cara do outro até um do grupo dizer: “Vamos descer?” O bacana dessa história é que, para esse grupo, o grande prazer não era estar no topo, mas percorrer a trajetória toda até alcançá-lo.

Lembrei disso agora porque tenho notado que a maioria das pessoas gasta energia demais remoendo o passado e planejando o futuro. E o presente, como fica? Venho pensando sobre isso. Para mim, a vida é muito mais o agora. Segunda-feira pela manhã é tão vida quanto sexta-feira à noite. Não há menos vida ou mais vida. Há apenas o presente e quem quer ser justo consigo mesmo precisa aprender a vivê-lo intensamente.

Grandes desafios, que parecem impossíveis de transpor, podem ser um estímulo importante para empreendedores visionários. Mas a fixação com o destino em si pode impedir que se aproveite bem a viagem até ele.

Assim como os amigos que experimentaram fortes emoções ao escalar a montanha, aprendi a amar a jornada e não apenas festejar a chegada ao ponto-final, até porque ponto-final é um conceito muito relativo.

Vou dar um exemplo. Qual seria sua reação se, depois de várias visitas a um cliente em potencial, você tivesse sua proposta recusada? Provavelmente se sentiria frustrado num primeiro momento. Mas será que esse é o fim e o esforço foi em vão?

Acredito que não se a recusa for tomada como um aprendizado do presente. O cliente não fechou o pedido, mas você aprendeu coisas novas nas reuniões a que foi. Pode ser que pessoas especiais tenham cruzado seu caminho e elas podem ajudá-lo a melhorar. Isso também não é felicidade?

Um empreendedor precisa aprender que o caminho para a vitória é tão bom quanto segurar o troféu. Lá na frente, quem sabe, o mesmo cliente que o dispensou irá procurá-lo novamente. Se você tiver aprendido a lição, será grande a chance de ele se sur­preen­der positivamente. Aí, será hora de celebrar o presente mais uma vez.
Fonte: Exame
     
« Voltar
 
Desenvolvido por:
Portal Big Belém - Aqui estão os melhores de Belém!
Rua Arcipreste Manoel Teodoro, 428 - CEP: 66015-240
Batista Campos - Belém/PA
Fone: (91) 3263-0989
Sistema Antistress: