Principal
Advogados
Artistas / Autores
Associações
Auto-Escolas
Beleza / Saúde
Condomínios
Contabilidade
Creches
Diversão / Esportes
Design de Interiores
Identificação
Locação de Veículos
Máquinas de Costura
Marmores / Granitos
Médicos
Portais Diversos
Prefeituras
Produtos Naturais
Toners / Cartuchos
Segurança
Serviços de Internet
Sondagem de Solo
Treinamentos
  
  
  
 
Dicas de Quem Entende
 
29/04/2014
Empreendedor
Demita seu chefe: 5 dicas que realmente funcionam para montar um negócio enquanto empregado
Por pior que possa parecer o seu emprego, estar empregado é muito bom para quem deseja abrir seu próprio negócio. Você enxerga uma empresa por dentro, vê o que funciona e o que não funciona e ainda recebe um salário por isso todos os meses que te garante um mínimo para focar no seu empreendimento quando não estiver trabalhando como empregado.

Da próxima vez que cruzar com o seu chefe, dê um sorriso pra ele.

Ao longo da minha vida profissional oscilei bastante entre um emprego e um empreendimento porque às vezes os meus negócios não davam tão certo como eu esperava e eu voltava para um emprego para pode pagar minhas contas. Assim, pude colocar em prática algumas vezes o plano de demissão do chefe executando as mesmas cinco dicas a seguir que compartilho com você. Fique com elas.

1. Serviço ou Produto? O que oferecer?

Quando falamos de serviço, estamos falando de oferecer o nosso tempo para executar uma tarefa melhor que nosso cliente ou simplesmente substituir uma que ele não deseja mais fazer para poder focar em outras atividades. A grande questão da prestação de serviço para mim, é que temos um número limite de horas para vender e a única maneira de aumentarmos o nosso faturamento é aumentando o valor de cada uma dessas horas que vendemos.

E como aumentamos o valor da hora? Aperfeiçoando o serviço que prestamos e demonstrando para o cliente que o retorno obtido pelo investimento feito na nossa empresa é maior do que o seu não investimento nela ou investimento na contratação de outro prestador de serviços.

Já quando falamos sobre produto, estamos falando de investir o nosso tempo para criação de algo que funcione para um grupo grande de clientes. Se não é possível vender o nosso tempo para mais pessoas ao mesmo tempo (porque nós somos o próprio produto) isto não acontece quando criamos um software, um livro, um brinco ou um sapato. Podemos produzir nossos produtos em escala e vendê-los para um grande número de clientes.

Aumentamos o faturamento da empresa, aperfeiçoando o produto para atender cada vez melhor os seus clientes através do feedback que obtemos deles.

A matemática comprova porque é melhor ser empreendedor que empregado, mas você deve ficar atento na escolha que irá fazer quando iniciar a construção da sua empresa. Prefira construir um produto com um pequeno número de clientes e agregar serviços na periferia desse produto. Vender somente serviços tornará o seu crescimento será mais demorado.

Uma breve olhada na lista das maiores empresas do mundo e das que mais crescem, vai te mostrar que a maioria delas vendem produtos com serviços agregados.

Por quê então fazer diferente?

2. Mantenha os seus custos baixos

Um dos grandes mitos do empreendedorismo e uma das grandes mentiras que os fracassados adoram contar, é que é preciso dinheiro para se fazer mais dinheiro.

Hoje em dia o que mais se vê no mercado são empreendedores seguindo o conceito de lean startup para montar os seus negócios. Conceitos que utilizo atualmente em todos os negócios que monto e ensino dentro deste projeto no nosso livro digital.

Durante o tempo que estiver empregado concentre seus esforços em criar protótipos rápidos para validar suas suposições sobre o mercado que pretende atingir colhendo feedback dos seus possíveis clientes.

Você não precisa ter um nome, uma logo ou um site para vender a sua ideia. Alguns entusiastas dessa prática de criação ágil de negócios, defende ainda que inicialmente você só precisa de papel e lápis para começar a construção do seu produto. Eu sou um deles!

Remova o máximo dos compromissos financeiros que carrega: carro, baladas, festas, dívidas, etc. Concentre-se na geração de valor para seus clientes para geração de receita em escala. Ponto. Se quiser se aprofundar na psicologia por trás desse modo “empregado” de pensar, sugiro assistir esse vídeo para identificar as diferenças entre o pensamento comum e o rico. Leia também, Pai Rico e Pai Pobre.

3. Identifique suas fraquezas

É impossível que uma só pessoa atue em diversas áreas com habilidade. Trabalhando como programador, provavelmente você tem pouca habilidade para falar em público ou lidar com clientes e vendas. Da mesma forma, trabalhando com vendas, você pode ter identificado uma boa oportunidade no mercado, mas não tem habilidade alguma para ir para a produção do produto.

Você cometerá um grande erro se preferir se aprofundar nas áreas onde é mais fraco ao invés de buscar parceiros que possam complementar suas deficiências. Pensando de forma lógica: você acredita que venderá mais do que alguém que vende há quinze anos? Ou que programará melhor que alguém que programa há dez anos? Evidentemente, não.

Faça uma pequena lista das coisas que você não faz bem e que são necessárias para o seu negócio e busque parceiros que possam lhe complementar nestas áreas. Alguns deles poderão se tornar sócios do seu empreendimento no futuro, mas a priori estabeleça parcerias comerciais ganha-ganha com eles primeiro antes de partir para uma relação mais profunda.
 
Antes de terminar essa seção, te convido também a examinar o tempo que você tem disponível para colocar em prática o seu negócio, pois ele é um dos ativos mais escassos que você possui enquanto empregado. Minha preferência pessoal é de trabalhar apenas nos finais de semana por umas quatro ou oito horas. Pode parecer pouco, mas seguindo a Lei de Parkinson, quanto menor o tempo disponível, maiores as chances do resultado ficar pronto mais rápido.

Já fiz um curso para montar um negócio em um só dia e consegui.

Você vai notar que coisas incríveis acontecem na sua mente, quando você simplesmente se dá menos tempo do que acharia necessário para concluir algo. Acabamos tirando todo o excesso de tarefas da frente para focar apenas no que é importante para produzir resultados.

4. Teste o mercado

Descubra o mínimo produto viável testando incessantemente o seu mercado. Como ensino no capítulo 4 deste livro digital, testar significa pegar dinheiro do mercado em troca da sua solução. De forma alguma, testar significa perguntar para seus amigos e familiares o que acham da sua “maravilhosa” ideia.

Lance a versão 1.0 da sua empresa no mercado já informando a data de lançamento da versão 1.1. Não crie toda a sua empresa para depois apresentá-la aos seus clientes. Apresente a sua ideia sem nome para eles e depois monte a estrutura que apoiará o seu desenvolvimento.

Fiz o lançamento do produto Negócio do Zero bem antes dele ficar totalmente pronto. Convidando os fãs do meu trabalho a comprarem o produto por um preço promocional bem antes do lançamento, pude ter certeza se ele tinha futuro ou não.

A ideia de montar um ambiente online com informações sobre contabilidade, finanças e direito, mais um livro ensinando como criar uma empresa passo-a-passo e ainda incluir estudos de caso de empreendimentos de sucesso, sempre pareceu magnífica para mim, mas de que adianta termos uma boa ideia se as pessoas não pagam para ter acesso a ela?

Peça dinheiro para as pessoas em troca daquilo que está oferecendo. Só assim você terá clareza sobre o valor que o mercado dá para aquilo que está oferecendo. Se não conseguir levantar capital na primeira vez, pergunte as pessoas que tentou vender, o que você pode fazer para melhorar aquilo que está sendo construído. Faça as melhorias e peça dinheiro novamente. Fique nisso até conseguir rentabilizar o seu projeto e levantar grana suficiente para mantê-lo.

5. Abrace a incerteza

A um passo de se tornar dono do seu próprio negócio, a falta de “certezas” pode te fazer tremer nas bases, mas lembre-se que tudo que é certo já foi feito. É a incerteza que te levará a criar mais soluções para os problemas das pessoas que está tentando atender à frente do seu negócio. É ela que impulsionará a sua criação. Abrace a incerteza, o risco de perda e a exposição à crítica e empreenda.

Não é fácil deixar a mentalidade de empregado para se tornar empreendedor. Depois que o nosso cérebro se acostuma com alguma coisa, é trabalhoso fazê-lo pensar de outra forma, mas não impossível. Como empregados temos um salário certo todos os meses caindo na nossa conta. Como empreendedores temos que fazer o faturamento anual da empresa o quanto antes para ter um bom lucro no final do ano.

Quando você abraça a incerteza, você começa a duvidar das coisas que pensa sobre o mercado onde atua ou pretende atuar. E isto é ótimo! É ótimo porque tendo dúvidas, você se preocupará em verificar sempre se você está correto ao invés de admitir uma verdade sem antes verificar se ela procede.

O maior bem de um empreendedor é a sua liberdade.

Liberdade para pensar. Liberdade de ir e vir. Liberdade para decidir que caminho tomar. Liberdade para se dedicar a uma causa e ao seu próprio desenvolvimento. Muitos de nós empreendedores queremos mudar o mundo e as coisas como são, mas a única maneira de mudarmos o mundo é levantando da cadeira e agindo.

Encare o seu emprego como um trampolim para o seu empreendimento. Aprenda o máximo que puder nele, por mais que o ambiente não seja aquilo que você desejava quando fez a entrevista para entrar nele. Peça demissão assim que puder e liberte-se de uma vez por todas para viver a sua própria vida.
Marcos Rezende - Empreendedorismo
Empreendedor e orientador de carreira para empreendedores
http://www.insistimento.com.br
« Voltar
 
Desenvolvido por:
Portal Big Belém - Aqui estão os melhores de Belém!
Rua Arcipreste Manoel Teodoro, 428 - CEP: 66015-240
Batista Campos - Belém/PA
Fone: (91) 3263-0989
Sistema Antistress: